Brasil registra maior queda de emissões no setor elétrico do mundo em 2022

Brasil registra maior queda de emissões no setor elétrico do mundo em 2022

O Brasil viveu a maior queda absoluta do mundo nas emissões do setor elétrico em 2022, mostra relatório do think tank britânico Ember lançado nesta quarta-feira (12/04). De acordo com a análise, a matriz elétrica brasileira emitiu 69 milhões de toneladas de CO2 no ano passado, uma queda de 34% em relação a 2021, quando emitiu 105 milhões de toneladas.

Apenas a Ucrânia, em estado de guerra, viu declínio percentual comparável (-38%), com a segunda maior redução nas emissões. Conforme a Ember, a redução de emissões do Brasil em 2022 se deveu principalmente à diminuição do uso de termelétricas em função do aumento, de um ano para o outro, da geração hidrelétrica.

Em 2021 houve um recorde histórico de emissões no setor elétrico brasileiro. As usinas termelétricas movidas a combustíveis fósseis foram acionadas de maneira emergencial em razão da crise hídrica enfrentada pelo País.

Naquele ano, a fonte hídrica esteve em seu nível mais baixo desde 2015, e com a volta das chuvas em 2022, atingiu o nível mais alto desde 2011.

Outro fator que contribuiu para a queda de emissões da rede brasileira no ano passado foi o crescimento da geração eólica e solar. As duas fontes permitiram uma substituição da energia fóssil, principalmente do gás.

“Este é o efeito sanfona das emissões do setor elétrico brasileiro: a maior queda do mundo em 2022 precedida por uma das maiores altas em 2021”, observou o pesquisador do Instituto ClimaInfo, Shigueo Watanabe Jr., que ressalta que o Brasil precisa enfrentar o lobby fóssil para manter as emissões do setor elétrico neste patamar baixo.

“Pela pressão climaticamente irresponsável do setor do gás natural, as emissões podem se estabilizar em um patamar pior do que o atual e muito longe das metas nacionais de redução de emissões”, assinalou o especialista.

“Para superar essa gangorra, que pode acontecer novamente no futuro, é preciso priorizar de maneira assertiva quais fontes complementarão a hidreletricidade”, avaliou o pesquisador do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) e do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG), Felipe Barcellos e Silva.

“Tem se observado uma certa aposta no gás, o que acaba por ocupar o espaço de usinas eólicas e solares. Para reduzir suas emissões de forma sustentada, o Brasil precisa reverter essa tendência, e estruturar o sistema para acionar termelétricas apenas em último caso.”

De acordo com os dados do operador do sistema elétrico nacional (ONS), o Brasil gerou 89% de sua eletricidade a partir de fontes limpas em 2022, o que inclui também 63% de energia hidrelétrica e 12% de energia eólica. Os combustíveis fósseis representavam 11% da geração brasileira em 2022, principalmente o gás (7%).

“A crescente capacidade eólica e solar do Brasil já está fornecendo eletricidade substancial para a rede. Como elas continuam a crescer, estas tecnologias ajudarão não apenas a reduzir as emissões do setor elétrico, mas também a impulsionar cortes de emissões em toda a economia com a eletrificação de outros setores”, estimou a analista sênior de eletricidade da Ember, Małgorzata Wiatros-Motyka, principal autora da pesquisa.

Solar e eólica atingem recorde

A geração somada de energia solar e eólica atingiu um recorde de 12% da eletricidade produzida no mundo em 2022, contra 10% em 2021. Em toda a América do Sul, Uruguai (36%) e Chile (28%) têm as maiores quotas de energia eólica e solar.

Os dados revelam que mais de sessenta países geram atualmente mais de 10% de sua eletricidade a partir do vento e do sol, incluindo o Brasil (15%) e a Argentina (12%).

A solar foi a fonte de eletricidade que mais cresceu no mundo pelo 18 ° ano consecutivo, aumentando 24% de um ano para outro e adicionando eletricidade suficiente para abastecer toda a África do Sul. A geração eólica aumentou 17% em 2022, o suficiente para energizar quase todo o Reino Unido.

Apesar da crise mundial do gás e dos temores de um retorno ao carvão, o aumento do vento e da energia solar limitou o uso de carvão, que subiu apenas 1,1% em 2022.

A geração global de energia a gás caiu muito ligeiramente em 2022 (-0,2%). Em geral, isso ainda significou que as emissões globais do setor elétrico aumentaram em 1,3% em 2022, atingindo um recorde histórico.

Pico das emissões

A Ember estima que o ano passado pode ter sido o “pico” das emissões do setor elétrico e o último ano de crescimento da geração elétrica fóssil, com as fontes renováveis atendendo a todo o crescimento da demanda em 2023.

Como resultado, haveria uma pequena queda na geração de eletricidade fóssil (-0,3%) em 2023, com quedas maiores nos anos subsequentes, à medida que a implantação eólica e solar se acelera.

“Esta década decisiva para o clima é o início do fim da era fóssil. Estamos entrando na era da energia limpa”, sentencia Wiatros-Motyka. “O cenário está preparado para que o vento e a energia solar alcancem uma ascensão meteórica até o topo. A eletricidade limpa irá remodelar a economia global, do transporte à indústria e mais além.”

Leia mais em: https://www.portalsolar.com.br/noticias/mercado/internacional/brasil-registra-maior-queda-de-emissoes-no-setor-eletrico-do-mundo-em-2022

Matérias Relacionadas
Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios estão marcados com *

plugins premium WordPress
Abrir bate-papo
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?